Continuo contra

Continuo contra o impeachment pois seu custo no médio e no longo prazo é impagável (e agora começa a se perceber que também no curto prazo). Um custo muito, mas muito maior que um governo ruim.

Porém, qualquer que seja o resultado das “investigações”, o estrago está feito e é irreversível.

Voltamos para a latrina do mundo. Se é que vai ter eleição em 18, o fato é que teremos alguma chance de discutir projetos para um Brasil melhor na eleição de 2022.

E, para tirar de sobre nós a pecha de país que quebra contratos, mais vinte e cinco anos… E olhe lá.

Do ponto de vista pessoal me deprime o fato de não os ter (os 25 aos). Do ponto de vista de meus alunos, me entristece perceber que eles terão que subir no mesmo pau de sebo que nós subimos com tanto esforço e escorregamos.

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Tagged , , | Leave a comment

Ensino sem fundamento

A Folha traz hoje um bom retrato do ensino fundamental que, como o nome diz, é fundamental. (leia aqui)

Deixando a turbulência política de lado, se considerarmos que o Brasil pós Figueiredo e sobretudo pós Collor/Itamar teve 5 governos e três presidentes com discursos, digamos, humanistas, 20 anos de tranquilidade política e pelo menos dez de tranquilidade econômica, é preciso reconhecer que a maior derrota de nossa geração está na educação.

É imperdoável não termos até hoje um sistema de ensino em tempo integral implantado nacionalmente, acompanhado de uma rede de formação de professores de alta qualidade e a valorização de projetos arquitetônicos adequados à processos de ensino-aprendizagem contemporâneos.

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Tagged , , | Leave a comment

Eleitoral não é político

Um dos efeitos colaterais danosos deste retrocesso vexaminoso (pois não basta o retrocesso, que faz parte do jogo político em países como o nosso, tem que ter vexame!) a que fomos submetidos é que agora vão começar a surgir propostas de reforminhas pontuais “bem intencionadas” feitas por alguns políticos que terão ficado um pouco mais constrangidos com seus próprios comportamentos.

É o caso de propostas para acabar com a reeleição para o executivo, acabar com a reeleição infinita para o legislativo, voto distrital, voto distrital misto, voto em lista, fim da proporcionalidade transformando a eleição para deputado também em eleição majoritária… Capaz até de aparecer alguma proposta de eleição direta para Presidente e para juiz e promotor.

O problema disto é que será um monte de remendos desconexos e incoerentes, que não terão unidade e sentido e transformarão nosso sistema eleitoral numa coisa ainda mais esdrúxula. Isto, claro, além de serem todos eles mais facilmente negociados, rejeitando-se os bons e aprovando-se os ruins e os inócuos, construindo na sociedade a sensação de que algo está sendo feito.

Num país que não consegue superar o limite de três meses na análise de conjuntura como aprendemos nos episódios recentes, é natural que se confunda reforma política com reforma eleitoral.

Mas, infelizmente o nosso problema não é a necessidade de uma reforma eleitoral, que tentam de quando em vez nos vender como reforma política.

Nosso problema não se limita mais a como se vota, não é de forma ou de rito. Aliás, estes funcionam muito bem, “dentro das regras constitucionais” como se habituou a se jactar atualmente grande parte da sociedade.

Nosso problema é o sistema político.

Nosso problema é de legitimidade da representação (eu acho que, inclusive, das instituições). Por isso a reforma política, a que precisamos, é a Constitucional, que mexe com o pacto federativo, com a proporcionalidade da representação regional, com o sistema de financiamento, com o número de partidos, com a função e com os limites de função dos três poderes e seus agentes sobretudo no trato do orçamento, entre outras questões estruturais, não conjunturais.

Tudo isto terminando, preferencialmente, num referendum/plebiscito.

Esta reforma, estrutural e não conjuntural e muito menos perfunctória, nem em sonho de fim de noite mal dormida!

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Tagged , , | Leave a comment

Quem perde, ganha?

Na linha do ganha e perde, fico me perguntando: será que o Aécio percebeu que é, até o momento, o único derrotado nesta confusão toda que ele em parte (só em parte, pois o grosso quem armou mesmo foi o governo) ajudou a armar ao não aceitar o resultado das eleições?

Senão, vejamos:

Dilma: Fique ou saia, ganha. Se ficar, ganhou, se sair, sairá como vítima, como uma presidente que deixou combater a corrupção, que enfrentou os juros abusivos, que privilegiou setores produtivos da indústria e do agronegócio e por eles foi abandonada, que enfrentou os políticos e por isso foi por eles defenestrada. Para a História, ganhou.

Lula. Este, nem se fala. Se Dilma fica, ganhou. Se Dilma sai, ganhou pois em qualquer caso foi recolocado no protagonismo do processo político quando já estava a caminho do pijama, num sítio que não é dele, cuidando de uma doença que não tem. Ganha, em qualquer caso, por ser o candidato líder de intenções de voto ainda hoje. E, se for pego pela lava a jato ainda é capaz de ganhar pois também terá a chance de ir para a História como foi Getúlio, um bandido para seus inimigos e, já para o povo, um herói traído e perseguido.

Serra: Só ganhou. A sorte lhe sorri novamente. Na pior das hipóteses para ele, se Dilma fica, ressurge como o grande líder da oposição e da centro direita no Brasil. O único com envergadura para ser presidente por este amplo segmento social em 2018. Se Dilma cai, ganha e vai para o governo preparar a sua candidatura.

Mesmo Temer ainda não perdeu pois, por óbvio, se Dilma cai, ganhou. Este, está disputando. Pode até perder, mas se perder, não será como Aécio, simplesmente colocado fora do jogo. Terá perdido disputando (a seu modo).

Já Aécio: perdeu a eleição, perdeu o comando da oposição, perdeu o comando do partido e pior, a meu ver, decepcionou seus companheiros e colegas de geração.

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Tagged , | Leave a comment

Mais minhocão

A Folha publicou hoje mais uma matéria sobre o minhocão. Leia aqui

Desde a aprovação da Lei que permite à Prefeitura colocar dinheiro bom em coisa ruim, nesta porcaria, eu parei de falar no Minhocão… Uma certa tristeza resignada se abateu sobre meu espírito. Ms ao ver esta matéria não resisti. Me desculpo.

Os custos diretos (dos indiretos já falei em outras ocasiões) envolvidos na manutenção do elevado são tão acintosamente astronômicos que não há o que os justifique em nossa cidade hoje. E o argumento, expresso na matéria, de que não se trata de investir nada ali pois o parque já existe chega a agredir.

Mas vamos lá… consideremos que o parque já existe!

Desta afirmação, por observação se pode tirar duas conclusões.

A primeira: ele existe, funciona e não altera e não melhora em absolutamente nada a vida de quem mora, de quem trabalha, de quem frequenta, de quem passa por aquela região da cidade; como se não bastasse, ele não colabora em absolutamente nada para superar os problemas do centro que o elevado causa; por fim, ele não auxilia em nada a necessária rearticulação das áreas centrais com a cidade e a região metropolitana.

A segunda: tudo o que se tem feito sobre o elevado pode ser feito melhor e de forma mais abrangente no chão da cidade.

Portanto, por que a insistência em mantê-lo?
Abaixo o minhocão, a cidade para o cidadão!

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Tagged , , , , | Leave a comment