Sim, ele é um mito!

Há uma coisa na campanha de Bolsonaro que para mim é irretorquível: ele é uma figura mitológica, digno da mitologia grega. Ele é o ser que consegue fazer com que alguns, muitos, vejam nele aquilo que querem ver.

Por exemplo: tenho amigos que vêem nele um fascista.

Conheço vários fascistas, estudei o assunto um pouquinho e tive, e tenho, alguns fascistas na família, convivo com eles há mais de meio século e, por favor, não confundam as coisas. Ele não é fascista. É um populista, apenas mais um candidato a gerente do circo máximo.
Um populista que se serve da violência em todos os sentidos para se comunicar com os sentimentos mais tenebrosos da sociedade. Como populista, ele é absolutamente imprevisível. Este é o problema. Não se trata de uma aventura, se trata de um desventura.

Mas, tenho amigos que votam por que vêem nele o combate à corrupção…

Não me consta que ele seja corrupto, mas não há nada entre os que o cercam e mesmo nas suas ações pregressas e pretéritas que abone esta expectativa. Desde suspeitas de enriquecimento ilícito até envolvimento na Lava-Jato e outras operações da PF, ali tem de um tudo. Fora o fato de que ele próprio é deputado líder da bancada de Eduardo Cunha.

Outros amigos estão votando nele por que vêem nele uma atuação firme na questão da segurança.

Em trinta anos de vida pública sua atuação na área foi insignificante ou nula, não apresentando uma única proposta estruturada, nem mesmo para que dela se discordasse. Votou ou discursou pela liberação ampla do porte de armas mas não creio que chegamos ao ponto de achar que isto seja uma política pública de combate ao crime, sobretudo o organizado.
Além do mais, a segurança pública cotidiana, esta que nos coloca como prisioneiros em nossas próprias casas, é atribuição dos estados, podendo muito pouco o presidente da república.

Há os que votarão nele por verem um paladino contra o PT.

Neste caso, todas as não poucas, na verdade muitas vezes que ele votou com o PT na Câmara e todo o período em que ele foi da base devem ser desconsiderados. Ou não? No país de Eduardo Cunha se ele votou mas não acreditava, votou por que?
Ou então estão votando nele pelo que ele diz que tem vontade de fazer com petistas (e com FHC também que, todos sabemos, sempre foi meio petista). É sério isso?

Mas aí vem a joia da coroa: vêem nele um liberal e crêem que vai dar uma guinada liberalizante no Estado, fazendo as reformas necessárias com estas características.

Ora, além de ter votado contra boa parte das medidas e Leis de caráter liberalizante ao longo de sua carreira ele tem formação militar, de forte cunho corporativo, nacionalista e intervencionista. E ele é certamente, como deixou claro na Globo News, daqueles que confundem liberal econômico com liberal no comportamento e aí vai… Mas, não é só isso.

Os que o rodeiam, que poderiam dar o tom, são mais privatistas de rapina que liberais consequentes. Sem contar que, neste afã privatista e de assalto ao Estado, incluem inclusive questões estruturais que devem bater de frente com a formação de seu comandante, a começar da própria reforma da previdência. E por aí vai…

Enfim, é um mito.

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Leave a comment

Pinda x Pinda

Eu torci muito para que este segundo turno fosse decidido em Pindamonhangaba. Acreditava ser o debate saudável a ser feito neste momento. Perdi feio.

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Leave a comment

Perdeu playboy

Desde o início de 2015, com a bravata de Aécio e o início do apoio às pautas bomba no congresso que tenho dito que as forças políticas que supostamente têm grande responsabilidade com a construção do futuro do país, sobretudo uma que tem bico e asas, preferiram um atalho, um perigoso atalho, que ajudou fortemente a nos colocar onde estamos.

Neste atalho estas forças não só não foram, como esperavam, chamadas a assumir o comando do país depois que o outro, o corró, o comum fez o serviço sujo, como foi defenestrada de lá e, no percurso, se desmanchou, desmilinguiu, esboroou. Haja visto o comportamento de seus líderes pré e pós eleição de 2018, os resultados obtidos pelo(s) seu(s) candidato(s) à presidência e a quantidade e a qualidade da bancada que elegeu para o parlamento.

É o famoso perdeu playboy. E, com ele, perdemos todos. Perdemos a chance de discutir projetos alternativos, perdemos a chance de ver um ciclo se encerrar naturalmente, ainda que melancolicamente para quem estivesse no poder, em especial o PT.

Alternância, vitórias, derrotas, aprendizados.
Aprendemos o quê? Construímos o quê?

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Leave a comment

Ele não é ele

É o seguinte:

se o seu candidato não está disputando o segundo turno isto significa, insofismavelmente, que VOCÊ perdeu a eleição.

Portanto, não cobre dos candidatos que sobraram na disputa um comportamento que o seu candidato, DERROTADO, teria. Eles não terão. Eles não são seu candidato por isso mesmo.

Logo, não tente encontrar motivos assertivos para votar neste ou naquele (lembrando que não votar é dar meio voto para quem está na frente, portanto você sempre estará votando, puxando ou não o gatilho).

Nossa escolha agora é de um simplismo binário: qual dos dois candidatos que não são o seu candidato está em maior sintonia com valores básicos de seu universo ideologico e deontologico? É neste que você vai votar. Sabendo que votou a favor, não contra.

No dia 28/10, mais ou menos neste horário, você continuará na oposição por que, meu caro, onseu candidato, como o meu, não está disputando obsegundo turno e você PERDEU a eleicao!!

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Leave a comment

7×1

Brasil: lembre-se !
Da última vez que um 7 se juntou com um 1 foi um desastre para nós !!
Escolha outras combinações !
A democracia é linda !
A ditadura um horror !!

Valter Caldana

Posted in cotidiano | Leave a comment